[Spoiler] As duas torres de J. J. R. Tolkien

E vamos continuar a saga dessa comitiva. Agora ela está toda espalhada, Frodo e Sam, seguiram viagem sem o restante do grupo. Pippin e Merry estão sumidos e Aragorn, Legolas e Gimli, estão procurando os dois desaparecidos.

Achei esse livro mais difícil de ler, a história agora começa a se complicar e muitos novos personagens vão ser inseridos na narrativa, mas devo confessar, Tolkien continua sensacional em sua narrativa.

Continuar lendo

[Spoiler] A sociedade do anel de J. R. R Tolkien

Esse post vai ser um pouco diferente, acho que vai ficar longo, pois estou colocando além das minhas impressões de leitura, algumas informações que fui achando aqui e ali.

Tenho que começar dizendo que esse livro é sensacional, e estou falando isso com apenas um prólogo e dois capítulos lidos. É aquele tipo de leitura que pede para você pesquisar, olhar, procurar e estudar, mas tudo de uma forma boa e leve… paro de ler e só fico pensando nele, em como a história vai continuar e passo horas olhando os mapas desse mundo novo que estou conhecendo. E olha que nunca fui muito fã de geografia. Continuar lendo

Os meninos da rua Paulo de Ferenc Molnár

Esse é um daqueles livros que tem história. Recebi a indicação do meu pai, que não é muito fã de literatura.

Depois, fui morar na casa da minha tia e um dia vi um exemplar desse livro no meio dos livros dela e ela diz: – Esse livro é muito bom, sempre lembro de seu pai quando leio.


Quando comecei a ler, em uma viagem à trabalho, meu chefe olha e diz: – Nossa, que legal! Você está lendo esse livro! Meu professor lia para a sala todos os dias uma parte desse livro e nos adorávamos.

Bem, como viram, muita gente tem uma história com esse livro e a todos impressionou de alguma forma.

Quando comecei a ler, confesso, não me animei muito, mas com o passar das páginas, as aventuras dos meninos vão te carregando e você vai se afeiçoando a esses garotos.

A história gira em torno de um grupo de meninos que tem que proteger seu grund, um pedacinho de terra que eles têm para brincar, dos camisa-vermelha, outro grupo de crianças que querem o mesmo lugar para jogar.

É muito bonito como o autor conta a história de amizade, coragem e heroísmo desses meninos. É uma história triste, mas tocante, por isso, eu li e indico.

Cien años de soledad de Gabriel García Márquez

Pensei que não canseguiria ler em um mês, pois é um livro grande e a rotina louca e de pouco tempo, mas quem diria, terminei e devo dizer, amei! Ainda bem que o mês tinha 31 dias! 😂😁


Comecei a ler esse livro no último semestre do meu curso de espanhol lá em Fortaleza. E lá se vão uns bons 6 anos! 😳

Li até uma parte em que as pessoas sofrem de uma amnésia coletiva e parei aí, então, toda vez que pensava em terminar esse livro era essa parte que me vinha a memória e para minha surpresa, essa era a parte menos fantástica que encontraria durante minha leitura.

Devo confessar que tenho problemas com histórias que fogem do que é permitido pelas leis da natureza, mas nesse livro elas são tão bem colocadas, não exigindo que você acredite, mas que saboreie a história que estão te contado, que ser possível ou não, não é algo relevante para a leitura.

Muitos estudiosos falam de como esse livro retrata a história da América Latina e de todas nossas desaventuranças e poucas alegrias como um povo democrático, e não digo ao contrário. Muitas vezes me vi pensando em como somos esquecidos e nos esquecemos de quem somos, como deixamos a vida nos levar mesmo percebendo que para lugares ruins.

A história centenária da família Buendía é isso, uma junção de crenças e medos, de aceitações e lutas sem apoio e uma incrível capacidade para a solidão. Muitas vezes a incapacidade de se lutar pelo se quer é o que os levam a serem sós e não terem o que desejam.

Uma outra coisa que me chamou muito a atenção foi o movimento cíclico com que as gerações convivem. Vira e mexe vemos um neto reproduzindo as ações do seu antepassado e aí pensei novamente, quantas vezes a nossa história nacional latino-americana também não se remonta e paramos no mesmo ponto em que estávamos há 20 anos? Usando até o mesmo nome partidário que tanto nos subjugou? Por quantos Aurelianos e José Arcádios ainda teremos que passar para pegarmos nossas vidas nas mãos e levarmos para onde achamos que seja o bom? Ou vamos morrer na solidão e esquecimento?

Livro espetacular e reflexivo!

Não se preocupe com os nomes iguais ou com a quantidade de páginas, Gabo vai ser suficientemente inteligente para não deixar que você se confunda, ele é um ótimo contador de histórias!

Li e super indico!

O mistério dos sete relógios de Agatha Christie 

Eita, o período de leitura desse livro foi complicado, tive uma crise muito séria de enxaqueca e por isso demorou um pouco mais do que imaginei para terminar de ler.

Apesar de ser da linda da Agatha Christie, não gostei muito da leitura não, sei lá, achei a história enrolada desde o início. Não no bom sentido, mas de perder o interesse em querer continuar na história.

Continuar lendo

[Tag] Ler é um presente 

E vamos estrear, pois nunca respondi a uma tag. A Val do blog Uma pedra no caminho, criou a tag "Ler é um presente" e me marcou para que possa também responder dez questões com um livro.

1. “É só uma lembrancinha…” – Um livro curto ou com menos de 100 páginas que tenha te encantado.

Carta a D, foi indicação de uma amiga do trabalho. Peguei sem pretenção, mas amei. O livro é uma autobiografia e o final é surpreendente!

2.”Não precisava!” – Um livro que você amou ganhar de presente ou qual tipo de livro você mais gosta de ganhar. Continuar lendo

Extraordinário de R. J. Palacio

E para começar o ano e a meta de 2017, a leitura foi de Extraordinário, que fala sobre um garotinho que tem sua aparecia diferente da maioria das pessoas, por questões genéticas ele apresenta uma má formação da face.

Nossa, já pensei, como será que a autora tratará esse assunto?


Para minha surpresa, ela deixou a abordagem leve, mas não suavizou o assunto. Falar sobre anomalias ou pessoas com deficiência nunca é fácil, existem pessoas que acham que elas não são capazes e merecem ter a vida “facilitada”, outros que eles devem ser incluídos com atividades específicas para eles. Continuar lendo